Land Lousã


WinGDB3: converter rotas e trajetos em Mapsource e Basecamp by joaocarloscardoso
15/04/2012, 10:15
Filed under: CARTOGRAFIA, LANDLOUSÃ, MAPSOURCE

WinGDB3 é uma aplicação desenhada especificamente para trabalhar com rotas, trajetos (tracks) e pontos de passagem no formato Garmin, convertendo-as entre si. Suporta quer o Mapsource quer o Basecamp.

É, assim, capaz de converter rotas criadas automaticamente a partir de mapas como o City Navigator ou o Metroguide, convertendo-as em trajetos ou pontos de passagem. Todos os dados associados aos pontos que compõem a rota/trajeto, como por exemplo a altitude, são conservados.

O WinGDB3 utiliza como fonte primária o formato GDB. Suporta as versões 1, 2 e 3. Não se mostra especializado para tipos específicos de recetores Garmin, embora modelos como os Nuvi e Quest, que possuem funções limitadas de trackback, possam usufruir da conversão de um trajeto em rota, ou os modelos da série 60, que estão sempre a recalcular rotas,  tenham a vantagem de converter, ao invés, uma rota em trajeto.

Tais conversões podem ser ajustadas por parte do utilizador, conferindo-lhe a capacidade de gerir a dimensão de uma rota ou de um trajeto, quer segmentando-os quer filtrando-os.

Uma rota ou trajeto podem ser convertidos a partir da manipulação direta da área de transferência (ou clipboard). Trata-se de uma operação simples de “Cortar” / “Copiar” do objecto (rota, trajeto) ao nível do Mapsource ou Basecamp, seguido de um pressionar do botão “Converte”, já ao nível do WinGDB3 e, finalmente, em “Colar” o resultado no Mapsource ou Basecamp.

Outras características importantes do WinGDB3 são:

  • Suporte de múltiplas línguas (inglês, holandês, alemão, francês, português, italiano, polaco, espanhol, turco, checo e      húngaro).
  • Capacidade de importar trajetos em formatos gpx, crs ,tcx, fit, kml, kmz, itn e nmea/nma/log.

A aplicação é totalmente livre pode ser descarregada a partir do site do próprio autor:

http://www.sackman.info/

As questões relativas à transformação de rotas em trajectos, recorrendo para tal a aplicações como o GPS VISUALIZER ou o GPSBabel, têm sido abordadas pela Land Lousã:

Ferramentas como o WinGDB3, quando utilizadas em conjunto com o GPSBabel ou o GPS VISUALIZER fornecem aos utilizadores capacidades quase universais de conversão entre uma miríade de formatos ao nível de dispositivos GPS e de aplicações de informação geográfica.



APLICAÇÃO JaVaWa GMTK 1.9 – 1ª Parte by Parola Gonçalves
10/02/2012, 12:47
Filed under: CARTOGRAFIA, LANDLOUSÃ, MAPSOURCE

Boas.

Uma importante aplicação, cujo donwload pode ser feita AQUI.

O JaVaWa GMTK, é uma aplicação que permite fazer fazer uma série de operações importantes, tais como:

A migração de  mapas do computador antigo para um novo é simples com este aplicativo.

Mover mapas do computador para outro disco ou pasta, alterar os nomes dos mapas ( apenas para os desbloqueados), alterar o tipo de TYP, remover mapas, corrigir erros de mapas e mais uma série de funções que vamos descrever.

 

 Como usar o JaVaWa GMTK

Se for utilizador de Windows Vista ou Sevem, terá de ser obrigatóriamnete  de ser “administrador”, o que não é forçosamente necessário se for utilizador de Windows XP.

Instalado a aplicação  JaVaWa GMTK, esta  irá recolher toda a informação sobre os mapas instalados no Computador, bem como erros, como por exemplo mapas com ID’s semelhantes.

Os mapas com erros serão mostrados a vermelho. Quando se trata de erros de arquivo não é possível fazer (backup) ou mover estes mapas. Em muitos casos JaVaWa GMTK é capaz de reparar os erros.

PC novo? Use JaVaWa GMTK primeiro e de seguida, instale o  MapSource

É aconselhável instalar o aplicativo JaVaWa GMTK  no seu novo computador e só depois é que deve instalar o Mapsource. Por norma a versão de instalação do Mapsource é uma versão de actualização, pelo que JaVaWa GMTK permite instalar correctamente a versão do Mapsource.

 Esta opção permite fazer uma cópia de segurança (Backup), dos seus mapas, incluindo os códigos de bloqueio.

O procedimento, consiste em seleccionar os mapas que se deseja fazer (Backup). Clicando no ícone (Backup), uma caixa de diálogo permite seleccionar um local de armazenamento, sendo aconselhável um disco externo ou uma Pen USB.

JaVaWa GMTK, verifica se o destino escolhido tem memória é suficiente, e se tem permissões de escrita. Uma caixa de diálogo mostrará o progresso dos mapas individuais e o progresso de toda a selecção.

 

Essa opção permite restaurar os mapas sujeitos ao (Backup), mencionados anteriormente e colocados em novo computador.

Depois de selecionar o disco ou a pasta onde foram colocados os mapas com a opção de (Backup), uma caixa de diálogo permite selecionar quais mapas que desejamos restaurar e, opcionalmente, selecione um local diferente de armazenamento. A parte inferior da caixa de diálogo mostra o espaço necessário e disponível por elemento (Drive).

De seguida, clique em Iniciar restauração. Os mapas (incluindo códigos de desbloqueio) serão instalados em seu novo computador. Os mapas já existem em seu novo computador não serão substituídos a menos que se opte por esta opção.

 

Esta opção permite mover os mapas para outra pasta ou unidade no seu computador, de forma que o MapSource ou o BaseCamp possam funcionar correctamente.

 

Esta opção permite remover os mapas do computador. No caso de mapas corrompidos, alguns arquivos podem permanecer no sistema, mas MapSource e o BaseCamp funcionarão normalmente.

 

Essa opção permite ter acesso a toda a informação detalhada sobre o mapa seleccionado e possíveis erros.

 

A aplicação JaVaWa GMTK, verifica os mapas extensivamente e relata erros quando encontrados. Os mapas com erros são coloridos vermelho de acordo com o observado na opção “Info”. No caso em apreço os Mapas a vermelho o erro tem a ver com o tipo de Typ.

A aplicação, JaVaWa GMTK pode reparar alguns desses erros, como por exemplo mapas com o mesmo ID, pelo que atribuirá novas identificações, apenas a mapas bloqueados.

A 2.ª parte será publicada brevemente.



“DICAS SOLTAS” – “Aceder directamente aos mapas do dispositivo GPS” – Basecamp (1) by joaocarloscardoso
23/01/2012, 22:22
Filed under: LANDLOUSÃ, MAPSOURCE

O Garmin BaseCamp permite-nos aceder e mesmo manipular mapas pré-carregados ou adquiridos e descarregados através da WEB directamente para um dispositivo GPS,para os quais não dispomos de suporte em CD/DVD (standalone version).

Aqueles não ficam, no entanto, imediatamente disponíveis. O problema é que se acedemos directamente ao dispositivo GPS através do BaseCamp apenas obtemos os trajectos, pontos de passagem ou rotas nele carregados.

Na imagem podemos ver o cartão de um Garmin 60CSx directamente ligado ao BaseCamp através do modo de “Armazenamento USB”. Sabemos que o mesmo contém um mapa, mas este permanece inacessível.

É, de facto, possível visualizar qualquer mapa (ficheiro .img) no Basecamp desde que o utilizador disponha de outra ferramenta: GmapTool.

Através do GmapTool é possível acedermos a um atributo do cabeçalho do mapa que o torna editável.

Convém, no entanto, e por medida de precaução criar sempre que possível uma cópia de salvaguarda da informação.

Assim, basta ao utilizador aceder ao mapa através do separador “File” > botão “Add Files”. O mapa (gmapsupp.img), por norma, encontra-se na pasta Garmin, situada na raíz do cartão do dispositivo GPS.

No separador “Options” teremos que marcar a opção “Advanced options”.

Depois,e já ao nível do separador “Write”, teremos ainda que marcar a opção “Set version in header” e inserir o valor 0 (zero) na caixa de texto denominada “Ms”.

O processo é concluído pressionando o botão “Write all”.

Passamos então a dispôr de acesso a partir do BaseCamp ao mapa que se encontra no dispositivo GPS.

Comentários Desativados em “DICAS SOLTAS” – “Aceder directamente aos mapas do dispositivo GPS” – Basecamp (1)


NOVO MAPA DE MARROCOS – MAPSOURCE by Parola Gonçalves
02/12/2011, 11:06
Filed under: MAPSOURCE, MARROCOS

Boas.

Com a recolha de trajectos realizados em Marrocos nos últimos anos, foi possível criar uma base de dados credível e consistente. Muitos dos nossos amigos e seguidores, foram partilhando essa informação com o maior rigor possível nos últimos anos.

A nossa base de dados de percursos, permite melhorar em muito, os mapas existentes, pelo que a nossa tarefa vai ser muito trabalhosa, para não dizer enorme.

Esperamos ter o novo mapa funcional em Abril/Maio de 2012 a tempo de ser testada na nossa Expedição em 2012.

Tim Cullis, Anieto, A Malta dos Jipes, Sondosdies, Sureno, Jorge Leon, Gandini, Aimé Guiss, Pascal Poublan, XPTO, João Campeão e muitos outros vão permitir, termos um mapa mais actual.

Assim, Caro sócio da LandLousã, quando tivermos o mapa funcional, daremos conhecimento.



GPX Track Splitter: Dividir um trajecto (track) em segmentos by joaocarloscardoso
01/12/2011, 11:36
Filed under: MAPSOURCE, OZIEXPLORER/COMPEGPS

Alguns dos modelos de GPS, nomeadamente a maior parte das unidades GARMIN utilizadas em TT, BTT ou caminhada, permitem registar até 10.000 pontos por trajecto activo efectuado  (track log). No entanto, se se proceder ao seu armazenamento, a unidade levará a cabo uma simplificação do trajecto até um máximo de 500 ou 700 pontos, segundo algoritmos que fazem “cair” pontos considerados desnessários ou redundantes, e onde o utilizador não tem qualquer intervenção ou controlo. Sucede o mesmo quando enviamos um trajecto a partir de aplicações como o MapSource  ou o BaseCamp, instaladas no PC, para o dispositivo GPS.

Se descarregarmos este trajecto activo que foi sendo registado no dispositivo GPS e o armazenarmos no formato GPX, é, depois, possível e com recurso a uma ferramenta procedermos à sua divisão em segmentos, preservando assim todo o detalhe.

Para tal podemos utilizar o GPX Track Splitter. Trata-se de uma ferramenta desenvolvida pelo português Jorge Lopes e totalmente livre. Pode ser descarregada a partir da página do próprio autor:

http://sites.google.com/site/gpxtracksplitter/

É dotada de um interface muito simples. O utilizador inicia o processo de divisão do trajecto em segmentos através do carregamento do ficheiro com o trajecto original em formato GPX (GPX input file):

Neste exemplo o trajecto original possui 3256 pontos, pelo que se o importasse directamente para o dispositivo GPS (mais concretamente, um GARMIN GPSmap 60CSx), a operação de simplificação ou truncagem conduziria à perda de 84% dos pontos.

A opção “Make first point equal last point of previous splitted track” garante ao utilizador que os segmentos se justapõem nos extremos e proporcionam uma continuidade ao conjunto.

Ao marcarmos a opção “Delete source track”, o trajecto original não será incluído no ficheiro GPX a criar com os segmentos.

Podemos ainda controlar a cor dos segmentos, bem como o seu nome. Este último pode ser gerado automaticamente pela ferramente ou dado pelo utilizador (ao qual será anexo um número).

Para procedermos à divisão, basta seleccionar a caixa de marcação que antecede o trajecto e depois premir o botão “SPLIT”. Como deixámos seleccionada a opção “Ask for name of tracks for each selected” será pedido o nome a dar a cada segmento:

O resultado obtido foi o seguinte:

O trajecto original foi assim dividido em 7 segmentos, todos eles dentro do intervalo de pontos suportado pelo dispositivo GPS. Se visualirmos os mesmos no MapSource verificamos que, no global, o trajecto mantém todo o detalhe para navegações futuras:

Comentários Desativados em GPX Track Splitter: Dividir um trajecto (track) em segmentos


ROTAS VERSUS TRAJECTOS (TRACKS) e TRAJECTOS VERSUS ROTAS by joaocarloscardoso
03/08/2011, 13:25
Filed under: CARTOGRAFIA, MAPSOURCE, OZIEXPLORER/COMPEGPS

Na sequência do post onde já explorámos uma forma de transformar rotas em trajectos (tracks) recorrendo para tal ao GPS VISUALIZER, vimos agora demonstrar outro modo de realizar esta mesma operação, bem como a inversa (conversão de trajectos em rotas), através do GPSBabel.

A ferramenta GPSBabel é totalmente livre edestina-se primariamente à conversão dados de GPS (pontos,trajectos e rotas) entre os formatos mais populares ao nível de dispositivos GPS e aplicações de informação geográfica.

Esta versão pode ser descarregada na seguinte hiperligação:
http://www.gpsbabel.org/download.html

A rota da figura anterior foi criada no MapSource e guardada no formato nativo (GDB).

Utilizando a ferramenta GPSBABEL, temos então que seleccionar:

  • O formato de entrada ou fonte (GPX) e o ficheiro a transformar;
  • O tipo de objecto que queremos exportar: trajectos (tracks),
  • O formato de exportação ou destino (OZIEXPLORER) e o nome do ficheiro que armazenará o trajecto (obrigatoriamente de extensão PLT).

A transformação é obtida através dos filtros de informação a converter disponibilizados pela ferramenta. Assim, o utilizador tem que premir o botão “Filters” e depois marcar a opção “Miscellaneous”. Depois, basta activar a opção “Transform” e seleccionar “Routes -> Tracks”.

O trajecto pode ser visto a seguir no OziExplorer.

Para obtermos o processo inverso, basta então:

  • Definir como tipo de objecto a exportar a rota (route),
  • Seleccionar nos filtros de informação a converter a opção “Tracks -> Routes”.

Nesta última imagem podemos visualizar então um trajecto que originalmente se encontrava no formato GPX e transformado em rota.

Comentários Desativados em ROTAS VERSUS TRAJECTOS (TRACKS) e TRAJECTOS VERSUS ROTAS


img2typ: Ferramenta de extração de símbolos de mapas Garmin e criação de ficheiros TYP (mapas vectorias Garmin) by joaocarloscardoso
31/07/2011, 12:32
Filed under: CARTOGRAFIA, MAPSOURCE

A ferramenta img2typ, permite a verificação e extração dos símbolos (objectos do tipo linha, polígono e ponto) de um mapa Garmin já compilado (.img).

É, pois, possível extrair aqueles símbolos que temos interesse e depois combinar os mesmos com outros, criando assim ficheiros TYP específicos.

Estes, podem depois ser editados através do editor TypWiz.

A ferramenta img2typ pode ser descarregada a partir da seguinte hiperligação:

http://pinns.co.uk/osm/img2typ.html

De utilização muito fácil, apenas temos que abrir o mapa.

A ferramenta tem a capacidade de pesquisar ficheiros IMG, bloqueados ou não, embora se encontre limitada pela dimensão. Não suporta ficheiros com uma dimensão superior a 25 Mb.

É criada uma lista de tipos embebidos no ficheiro.

Aqui podemos ver os mesmos no editor TypWiz.

Finalmente temos a secção relativa à “Draw Order”.Trata-se de uma secção que contém indicações para a representação de todos os objectos do tipo polígono contidos no mapa e não apenas aqueles que queremos parametrizar. É obrigatória e deverá listar todos os polígonos, mesmo que mais tarde não alteremos a sua apresentação gráfica, sob pena dos mesmos não serem representados no mapa.

A configuração original relativa à “Draw Order” dos polígonos é mantida.

O utilizador para gerar um novo ficheiro TYP (formato já compilado) necessita de instalar previamente o compilador cgpsmapper (http://cgpsmapper.com/) e associá-lo ao img2typ. Para tal basta aceder ao menu “Settings”, opção “Locate Programs”.

Comentários Desativados em img2typ: Ferramenta de extração de símbolos de mapas Garmin e criação de ficheiros TYP (mapas vectorias Garmin)



%d bloggers like this: